Alessandra Vannucci

4 de outubro de 2009 às 22:05 | Publicado em O que é o Oulipo | Deixe um comentário
Tags: , , , ,

Dramaturga e diretora, curinga de TO, pesquisadora e tradutora, italiana de 1968, radicada desde 1996 no Brasil, mãe do carioca Luca.

Como dramaturga e diretora, foi assistente de direção de Luca Ronconi, Federico Tiezzi, Benno Besson, Ariane Mnouchkine. Outros mestres foram Augusto Boal, Dario Fo e Eugenio Barba. Além da formação universitária, fez cursos de interpretação com Django Edwards, Donato Sartori, Lee Brauer,  Leo de Berardinis, Jean-Pierre Ryngaert, Donato Sartori, Enrico Bonavera.

Tem formação em dança clássica. Dançou em três montagens da Cia. Pippo Delbono.

Com Júlio Adrião e Sidney Cruz, fundou o grupo Leões de Circo.

Adaptou e dirigiu no Brasil:

– Chakà, de Sédar Senghor (Jardins da UniRio, 1998);

– A morte da sacerdotisa, de Dürenmatt (Centro Cultural Paulista, 1999);

– Ludwig e as irmãs, de Thomas Bernhard (2001, Centro Cultural Paulista, dir. com

Maurício Parroni);

– Ruzante, de Angelo Beolco (2002, Casa Mercado, dir. com Sidney Cruz);

– O castiçal, de Giordano Bruno (2003, Teatro Carlos Gomes, dir. Amir Haddad);

– A descoberta da América, de Dario Fo (2005, Casa Mercado, com o ator Júlio Adrião, prêmio Shell Melhor Ator 2005, Melhor Espetáculo 2006 para O Globo);

– Pocilga, de Pasolini (2006, Teatro Planetário, estréia do autor no Brasil);

– Herói (2007/08, Festival de Curitiba, com Nicola Siri, turnê na Itália);

– A ronda (2009, Festival de Curitiba);

– Náufragos, de Massimo Bavastro (2009, Centro Cultural Justiça Federal).

Trabalha também na Itália, como dramaturga e diretora, colaborando com o Maestro Paolo Vivaldi, com quem realizou:

– para o Teatro dell’Opera de Gênova a ópera infantil I magi (2005);

– para a Bienal de Veneza 2007, a peça musical Arlecchino all’inferno (com Enrico Bonavera, prêmio Arlecchino d’Oro 2007);

– para o Festival Internazionale Castel dei Mondi 2008, o concerto em prosa Sancio Panza e il cavaliere (com Lello Arena);

– para o MalaFestival – Torino 2008 a performance Cattivo selvaggio (sobre o personagem Macunaima nos contos indígenas brasileiros, com 10 imagens especialmente concedidas por Sebastião Salgado).

– para o 39º Festival Andersen – Sestri Levante 2008,  a peça infantil Storia del giaguaro, com dois índios Krenak, de Minas Gerais.

É também dramaturga do Teatro Cargo de Gênova, assinando as ultimas sete peças encenadas:

Partenze (Porto de Genova, 2004 e 2006);

Mercenari SPA (Teatro Stabile de Genova, 2005);

Vola, colomba! (Cornigliano, 2006);

Il naso di Darwin (Teatro Cargo, 2007);

Donne in guerra (Teatro Cargo, 2008);

Sudore (Teatro della Tosse, 2009);

Barbablù (Teatro Cargo, 2009).

È curinga de Teatro do Oprimido.

Após estágio no CTO-Paris, foi assistente de Augusto Boal no CTO-Rio e acompanhou o Mandato Politico-Teatral na Câmera Municipal do Rio de Janeiro. Desde 1996 é curinga e conduz cursos de formação em técnicas de Teatro do Oprimido em universidades (Genova, Imperia, Bologna, Roma), redes de solidariedade (Lilliput, Arci, Giolli, COOP) e escolas de formação profissionais em Artes Cênicas como a Accademia d’Arte Drammatica (Roma 1999), FormArt (Salerno, 2008), Muvita (Arenzano 2009). Para a Província de Gênova, desde 2006 realiza  laboratórios visando a inclusão social (Laboratórios de Cidadania Ativa em bairros desfavorecidos: Molassana, Arenzano, Sampierdarena) e o respeito dos direitos humanos em presídios e comunidades psiquiátricas. Montou peças de teatro-forum e teatro-imagem no Forum Anti-G8 em Gênova (2001) e em escolas da periferia industrial como Bolzaneto (Città degli scontri, 2006), Voltri (Il mare nel cassetto, 2005) e Sestri (Banda Rumenta, 2008) entre outras. Participa dos encontros nacionais e internacionais de Curinga de Teatro do Oprimido (Rio 2000, 2002, 2009).

Neste âmbito de produção cinematográfica em mídia digital, também realizou como roteirista e diretora os curta-metragem: Evasione! (escrito e interpretado por detentos, 2006) e Nebbia (interpretado por não-atores, 2007).

Em 2007 fundou a BadApple (Milão), coletivo de artistas cine-teatrais para a qual escreveu o roteiro do longa-metragem Greenman, que está sendo atualmente finalizado.

Como pesquisadora, è licenciada em Dramaturgia pela Universidade de Bolonha, mestre em Teatro pela Uni-Rio e Doutora em Letras pela PUC-Rio. Subsidiada entre 2000 e 2004 por bolsa de pesquisa do Cnpq, sua pesquisa descreve as jornadas de inúmeros artistas viajantes e tenta explicar o sentido das migrações intelectuais, especialmente entre Itália e América Latina. Publicou ensaios sobre as turnês intercontinentais dos grandes atores italianos do século XIX e XX (Ristori, Rossi, Duse, Marinetti, Pirandello); sobre a geração dos diretores italianos que na década de 50 protagonizaram a renovação do teatro no Brasil (Celi, Jacobbi, Ratto, Salce, Bollini etc.); assim como sobre os muitos anônimos emigrantes que entregaram as memórias de uma vida a diários e cartas.

Livros recentes:

Brasil em cena, Roma: Bulzoni 2004;

Uma amizade revelada. Correspondência entre o Imperador Dom Pedro II e Adelaide Ristori, a maior atriz de seu tempo. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2005;

Critica da razão teatral, São Paulo: Perspectiva, 2005;

Entre mundos. Biografia de Adolfo Celi, São Paulo: Imprensa Oficial (no prelo);

Un baritono ai tropici. Diario di Giuseppe Banfi al Paranà, Reggio Emilia: Diabasis, 2008.

Como tradutora, traduziu do português para o italiano Teatro Legislativo, de Boal (2003), entre outros; e do italiano para o português: Moscheta, di Angelo Beolco (2002); Candelaio, di Giordano Bruno (2003, versão da peça e edição crítica); Dialogo di Cecco de’ Ronchitti sulla stella nuova, di Galileo Galilei (2005), todos publicados.

Como assessora cultural do Istituto Italiano di Cultura-Rio de Janeiro, realizou os eventos:

– Entre dois mundos. Homenagem a Adolfo Celi (Festival Rio-BR Cinema, 2002);

Acadêmico de academia nenhuma (sobre Giordano Bruno, Teatro Carlos Gomes, 2003);

– Brasil Mediterrâneo (Teatro Planetário, 2004);

– Infinitos universos e mundos. A descoberta das galáxias por Giordano Bruno e Galileu Galilei (Fundação Planetário, 2005);

– A arte da máscara teatral (Caixa Cultural 2008, em parceria com o Moitarà) com vinda de exposição do Donato Sartori e da peça Arlequim no inferno com Enrico Bonavera, junto com o qual ministrou demonstrações de trabalho sobre montagem com máscara, no Rio e em São Paulo.

Como consultora artística e cultural de eventos, têm realizado recentemente com o Teatro Cargo (Genova) as manifestações:

– COLLASSO ENERGETICO. Como sopravvivere ancora qualche secolo su questo pianeta (2008);

– MUTAZIONI. Corpo femminile nel terzo millennio (2009) com palestras, experiências, exposições e espetáculos que atraíram no total cerca de 20.000 pessoas.

Anúncios

Deixe um comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: